Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/24682
Título: Juventude "transada": moda como tecnologia de gênero na revista Pop (anos 1970)
Título(s) alternativo(s): “Cool” youth: fashion as gender technology in Pop magazine (1970s)
Autor(es): Franca, Maureen Schaefer
Orientador(es): Santos, Marines Ribeiro dos
Palavras-chave: Moda
Identidade de gênero
Juventude
Revistas - Anos 1970
Contracultura
Preconceitos na comunicação de massa
Moda - Estilo
Hippies
Fashion
Gender identity
Youth
Magazines - Nineteen seventies
Counterculture
Prejudices in mass media
Fashion design
Hippies
Data do documento: 23-Fev-2021
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Curitiba
Citação: FRANCA, Maureen Schaefer. Juventude "transada": moda como tecnologia de gênero na revista Pop (anos 1970). 2021. Tese (Doutorado em Tecnologia e Sociedade) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2021.
Resumo: A moda não é uma prática neutra, mas atravessada por visões de mundo, interesses e relações de poder que, muitas vezes, passam despercebidos. O corpo não possui fronteiras fixas e imutáveis, sendo construído socialmente em interação com o mundo, logo, não existe corpo que não apele para as tecnologias, entre elas, a moda. A partir desses pressupostos, tenho como objetivo investigar como a moda enquanto prótese de gênero – e em intersecção com outros marcadores sociais como idade/geração, classe social, raça/etnia e sexualidade – reforçou e/ou ampliou os limites para a construção dos corpos por meio de representações da juventude “transada” veiculadas na Pop – primeira revista jovem do Brasil, tendo circulado entre 1972 e 1979 em plena Ditadura Militar pela editora Abril. Dirigida aos garotos e às garotas, sobretudo, das camadas médias brancas, a revista adotou a linguagem pop na tentativa de moldar um novo nicho de mercado, dialogando, de certo modo e em certa medida, com a contracultura e suas conexões com os movimentos negro, gay e feminista. Nesta conjuntura, garotas e garotos “transados”, cujas imagens circularam na revista Pop, foram moldados como jovens supostamente irreverentes, livres, autênticos, inconformistas, modernos e “sem preconceitos” em contraposição a modelos de masculinidades e de feminilidades conformistas, conservadoras e “caretas”, culturalmente associados ao “mundo adulto”. Esta pesquisa traz contribuições no que tange à explicação das transformações que ocorreram na moda jovem dos anos 1970, considerando para isso o seu entrelaçamento com as dinâmicas socioculturais; o caráter político do design; e a desconstrução de visões evolucionistas, essencialistas e dicotômicas (que tendem a naturalizar desigualdades sociais) a fim de estimular mudanças de perspectivas, que nas práticas cotidianas, poderão convergir para a construção de uma sociedade mais consciente e solidária. As análises indicam que a moda veiculada pela Pop ampliou os limites para a construção dos corpos, embora tenha acionado, sistematicamente, referências associadas a modelos tradicionais de feminilidades e de masculinidades. Em outras palavras, a moda analisada moldou modelos de juvenilidades, em certa medida, “transadas”, uma vez que foi transpassada por contradições, tensionando, mas não chegando a romper plenamente com as normativas de gênero.
Abstract: Fashion is not a neutral practice, but crossed by worldviews, interests and power relations that often go unnoticed. The body does not have fixed and immutable boundaries, being socially built in interaction with the world, therefore, there is no body that does not appeal to technologies, including fashion. Based on these assumptions, I aim to investigate how fashion as a gender prosthesis - and in intersection with other social markers such as age/generation, social class, race/ethnicity and sexuality – reinforced and/or expanded the limits for the construction of bodies across representations of “cool” young people published in Pop – the first youth magazine in Brazil, having circulated between 1972 and 1979 during the Military Dictatorship by the Abril publishing house. Aimed at boys and girls, above all, from the white middle classes, the magazine adopted the pop language in an attempt to shape a new market niche, dialoguing, in a certain way and to a certain extent, with the counterculture and its connections with the black, gay and feminist movements. At this juncture, “cool” kids, whose images circulated in Pop magazine, were molded as young people supposedly irreverent, free, authentic, nonconformist, modern and “without prejudice” in opposition to conformist, conservative and outdated models of masculinities and femininities, culturally associated with the “adult world”. This research brings contributions regarding the explanation of the transformations that occurred in the youth fashion of the 1970s, considering for that its intertwining with the socio-cultural dynamics; the political character of design; and the deconstruction of evolutionary, essentialist and dichotomous views (which tend to naturalize social inequalities) in order to stimulate changes in perspectives, which in daily practices, could will converge to the construction of a more conscious and solidary society. The analyzes indicate that the fashion conveyed by Pop has expanded the limits for the construction of bodies, although it has systematically triggered references associated with traditional models of femininities and masculinities. In other words, the fashion analyzed has shaped “cool” youth models, in a certain extent, being traversed by contradictions, questioning, but not quite breaking with gender norms.
URI: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/24682
Aparece nas coleções:CT - Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
juventudemodatecnologiagenero.pdf40,39 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons